terça-feira, 12 de outubro de 2010

Chá Frio


Clara está debruçada sobre o parapeito da janela, observando as gotas de água que escorrem pela vidraça.
Cartas e envelopes pelo chão.
A chaleira toca na cozinha anunciando que o chá está pronto.
O apito a faz retornar de um lugar distante.
Com a xícara na mão, senta na poltrona e abre um envelope.

São Paulo, 10 janeiro de 1998.

Olá, Pai.
Faz tempo que não temos algum contato.
Nem sei se o senhor de alguma forma, nesses anos, chegou a lembrar de mim.
Imagino que tenha vivido muitas coisas, pois eu passei por várias.
Estou com 30 anos e já sou casada há 5.
Há tempos penso em escrever.
Hoje, sendo uma menina crescida, compreendo melhor e agradeço a sua coragem de assumir uma criança que não era sua.
Quero muito que essa carta o encontre bem, vivendo do jeito como sempre gostou, ao lado da natureza. Coisa que também gosto muito hoje.
Pai, peço o seu perdão. 

PS. Em breve serei mãe, estou grávida.
      Tenho saudades da Rita.

Clara repousa a carta no colo e bebe seu chá frio.
Olha para a janela e percebe que a chuva passou.
Uma lágrima descansa no papel. Manchando o amarelo da espera com o preto da escrita. 


foto: André Auke
modelo: Jéssica Fogaça.


8 comentários:

Anônimo disse...

Interessante..

Saudades, by the way.

Anônimo disse...

QUE LINDO!!!

TIVE VONTADE DE CHORAR...
É MUITO BOM SENTIR-SE NO PERSONAGEM.

BJS...

ROSANY ANDRADE

Francy´s Oliva disse...

É a saudade que envolve juntamente com o desconhecido a frente.
bjs.

Zeka Viola disse...

belíssimo blog, inspiradas palavras. Voltarei, com mais tempo, para apreciar, degustar, saborear.BRAVO!

Paula: pesponteando disse...

Emocionante!
Fiquei imaginando qto tempo de espera tem a carta...e pensando em quantas ccartas como esta deixamos de enviar...

abraços

Lua Nova disse...

Espero que ela consiga enviar pois ficará em paz.
Um texto emocionante, sentido, um ambiente criado com maestria. Enfim, muito bem escrito.
Gostei demais de seus textos.
Convido-o a conhecer meu blog e saborear uma mousse de chocolate comigo.
Beijokas.
Seguindo...

Laura Hickmann disse...

breve e tocante!

Dama da Noite disse...

Nossa, ler em silêncio deu arrepios! Muito bom, André!
bjs