segunda-feira, 7 de março de 2011

Metade de uma lágrima


Á partir de hoje serei um homem de meias lágrimas.
No meu rosto elas não serão mais inteiras.
Não tome isso como uma incompetência de sentimentos, e sim um amor consciente.
Metades delas serão para o mundo e a outra para mim.
Dedico minhas meias lágrimas para dentro, onde realmente tudo acontece.
Dedico a outra metade ao mundo, onde tudo é reflexo.
Ao contrário do que pareça, não há seca.
Em breve inundarei tudo. Eu e o mundo.
E o que hoje são metades um dia será uno.

foto: André Auke


3 comentários:

Mihh' disse...

Às vezes o mundo não merece nem metade.


Muito bons seus textos e suas fotos ;D

Dama da Noite disse...

Compreendo. Como refletir um mundo sem senti-lo? É muito cruel certas vezes...

Gabi disse...

Incrivel!
Inteiro!