domingo, 9 de maio de 2010

Equação quase resolvida



Cada vez mais preciso de ação. Cada vez mais preciso do silêncio. Cada vez mais preciso agir. Cada vez mais corro da multidão. Cada vez mais preciso da unidade, mas a divisão manifesta seu nome. O circulo cada vez mais se fecha.
Estou exposto. Eu me coloquei exposto.
Faço as contas: somo alguns pensamentos, subtraio algumas filosofias, divido alguns conceitos e os resultados são sempre alguns padrões.
Engraçado como essas contas sempre dão resultados exatos.
O circulo está se fechando porque ele existe e é natural tudo que existe ter um movimento. Mas o circulo existe porque existe um centro.
Se eu eliminar o centro, o circulo deixa de existir e assim, automaticamente, ele deixa de fechar.
Bimba! Equação resolvida.
Nem tanto, ainda não. Um detalhe: para eliminar o centro é preciso saber como ele surge.
Ele está lá porque eu estou a observá-lo. Se eu não estiver mais lá, será que ele deixa de existir?
Bom, pelos para mim vai deixar e, no momento, nessa conta, não existe outra ser se não eu. Será?
Pois se o centro não existir é porque não existe o observador.
Se não existe o observador não existe EU.

Resultado: equação quase resolvida.



9 comentários:

Anand disse...

Maravilhosa percepção!
Você é o centro e a periferia são suas personalidades, que possibilitam-no estar no mundo, nele atuar. Esteja no centro e veja as personalidades atuando e não se deixe envolver por elas. É o suficiente, por enquanto. O centro irá desaparecer por si só.

Le disse...

Ser o centro não é tão ruim. Você estando no centro de sua vida pode comandá-la como bem entender, tirando aquelas coisas que não podem ser controladas.
Ah eu ando com crise de identidade, nem ligue, rs
Enfim, passei por aqui. Boa semana!

Lunna Guedes disse...

Não sei, acho que a equação em si nunca se resolve, hehehehehe
Grande abraço

Tulla Du disse...

Sensibilidade em sua percepeção.
Bjs

Pergunte ao Pó disse...

Prometo ler atentamente o post depois, mas é que gosto de ler as coisas com calma e tal e na verdade passei aqui só para agradecer a atenção e responder seu comentário lá no meu wordpress! No caso sou a brururuca, que também é anselloni e tal! Enfim, obrigada e até logo!
beeijO!

Teatro dAdversydade disse...

ANDRÉ, PARABÉNS PELO ESPAÇO.
MUITO TEMPO MESMO, MAS O QUÊ É O TEMPO RSRSRSRS
BEJERICOS NA ALMA AMIGO

GARBEL

JAIRO PEREIRA disse...

Maravilhoso texto...
Essa busca tão humana
Esse dialogo com o que existe de mais profundo, na alma.
E a simplicidade de resolver aquilo que não tem resolução...
Muito bom amigo.
Sempre bom passar por aqui.

Nah disse...

Olá! Primeira vez que passo por aqui e curti muito o blog!

O texto é ótimo. Às vezes eu prefiro ser o centro. Às vezes não.

Passarei por aqui mais vezes. :)

Dama da Noite disse...

Ai se todos tivessem essa mesma percepção com aquilo que colocam no centro! Não acho que deixaria de ser por não fazer parte do circulo, apenas teria que se acostumar com a solidão, acredito!