quinta-feira, 4 de março de 2010

Uma conversa com a minha sombra ou (a Dualidade)


Quando estou aqui pensando tudo passa na minha pequena cabeça.

Quantas coisas a fazer, quantas coisas a deixar de fazer; vontades, desejos, realizações.

Para que serve tudo isso? Se quando as realizo (aquelas que são possíveis) a satisfação é uma coisa tão frágil que costuma se quebrar ao primeiro perder do olhar.

É para isso que servem os sonhos? Para correr atrás deles, realizá-los e depois aguardar o vazio, a sensação de voltar ao início sempre? Só mudam as caras.

Mas o mundo aí fora segue assim: a multidão faz isso, vende isso, compra isso, assiste isso. Será que existe alguma verdade nisso? Será?

Eu faço parte da multidão, então tenho que seguí-la, mesmo me achando deslocado dela.

O caminho solitário é mesmo sozinho?

Se a vida quer que eu a siga assim, por que ela me permitiu encontrar uma lacuna em tudo isso? Por que, hein? Por quê?

Aceitar seria o caminho; pelo menos é assim que dizem os mestres.

Mas aceitar o quê? Aceitar o filho da puta que não aceita o meu direito de ser do jeito que sou?

Como seria bom se cada um tomasse conta da sua própria vida! Talvez seja isso o paraíso, hahahahaha.

É, às vezes o caminho da espiritualidade deveria ser mais concreto do que efêmero.

Com Alberto Caeiro aprendo que a diferença está na natureza e não nas cousas. Com meu amigo Quintana, a saída é amar o cotidiano. Já com Clarice, não tem jeito, a coisa é triste mesmo, mas com muita poesia.

Ah, é isso aí. Precisa de um pouco de poesia para sentir verdadeiramente essa vida.

Às vezes me pergunto: Será que o melhor é viver a vida sem razão nenhuma e seguir com sentimentos descontrolados, se enfiando até o talo em tudo que aparece, mas pagar o preço, às vezes caro de sangrar, se machucar grave, mas pelo menos estar íntegro, nem que seja em uma experiência de merda? -
E olha que já vi muitas pessoas fazendo isso. Quantos artistas! Será que isso os deixa mais artistas do que os outros? Será?

A outra opção seria assistir a tudo isso, como uma imagem estática, neutra,
deixando as coisas apenas passarem, sem intrometer, sem interromper. O tal “observar”.

Mas com o preço que às vezes... pode dar aquela sensação de não estar vivenciando nada, sabe?

Parece que o ser humano está muito acostumado com a movimentação, com o opinar, com o julgar, com se enfiar, etc, etc, etc. E o não movimento parece ser uma coisa de outro mundo.

Não me venha com a tal historinha do caminho do meio, que eu vou mandar você tomar no cú. Pois, quando o calo aperta, a única coisa que passa na mente é fechar os punhos e dar um belo soco naquele cara chamado Deus, ou na primeira pessoa que te olhar torto, pois esse é a semelhança daquele. E o primeiro, é difícil de encontrar.

Quantas historinhas, quantas! Você poderia parar de me contar histórias, por favor?! Que eu não agüento mais! Já basta eu e a minha cabeça!

Você está certo em dizer que eu só trouxe questionamentos, mas de qualquer forma, eu não tenho nenhuma resposta.

Para a minha imagem não ficar de um arrogante, vamos fazer um combinado? Tu ficas com a tua verdade e eu com a minha. Assim quem sabe não salvamos o mundo. Mas quem foi mesmo o infeliz que enfiou na minha cabeça que o mundo está querendo ser salvo? Quem?





fonte foto:http://br.olhares.com/dualidade_foto2726563.html

6 comentários:

Francy´s Oliva disse...

Quantos questionamentos, quantas "pertubações", acredito que cada um deve parar de se questionar e seguir o rumo a sua frente sem se preocupar com a oponião alheia,desde que não interfira na vida de outrem. Gostei do texto.
Nada como ter um texto fresquinho(rs)

mazé disse...

É impossível pra um artista, ou quem tem alma de artista, não se questionar. E por que não??
E por que temos de ir em frente? Por que é a sociedade e toda a tese ou religião para seu bem espiritual diz que vc deve seguir em frente e pensar positivo ou que Deus quer assim???
E da onde que vc tirou q o mundo quer ser salvo?? E se for verdade, o que vc fez pra isso??

rsrs
beijo, poeta.

JAIRO PEREIRA disse...

TEM DIAS QUE SÃO DE MORRER
OUTROS DE MATAR
ALGUNS PRA SOBREVIVER
TEM AQUELES PARA ESCAPAR
POUCOS PARA ENTENDER
MUITOS DE FUDER
EM ALGUNS A GENTE FODE
HORAS DE SE ARREPENDER
MOMENTOS DE PENSAR
QUESTIONAMENTOS SEM PORQUE
DUVIDAS BOAS PRA NÃO SE PERGUNTAR
ARGUMENTOS FACEIS DE SE REBATER
RAIVA DIFICIL DE SE ADMINISTAR
BONDADE BOA PRA MANDAR SE FUDER
FRESCURINHA EM TOM DE BLA BLA BLA
OPINIÕES QUE SERVER APENAS PRA ENTRETER
COISAS SEM PROFUNDIDADE
INTELIGENCIA DE SUPERFICIE
BOCA BOA PRA FALAR VERDADE
GENTE ESTUPIDA QUE ADORA TOLICE
SENDO ASSIM
TEMOS DIAS DE MATAR
E MAIS DIAS DE MORRER
NO GERAL NÃO TEM COMO ESCAPAR
O NEGOCIO É SOBREVIVER.

JAIRO.

Algumas coisinhas da Jéssica disse...

Lindo, meu poeta!

PS: Difícil não lembrar da Keli fazendo (rs, rs).

Beijo!

Liebe Lima disse...

Hoje eu estou mais calma...hoje me sinto menos aflita com o sem sentido da vida...maluqueço pra me convencer a olhar pro céu mais ao longe, porque perto vejo nem sombrancelha...hoje sei que essa dor é dor de poeta que bebe a dor do mundo pra dela tornar poesia...beleza...e hoje alguma alegria...essa é a dor de ver a dor do outro e compartilhar dela, saindo dela vencedor...salvador...
poeta....

Dama da Noite disse...

Hahahahahahaha!Impressionante!! Tudo o que li se passa na minha cabeça! Depois eu coloco o meu texto pra vc ver que coincidência!