quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Vinho Francês


Clara é mais uma de tantas mulheres que vive em seu mundo paralelo criado para suprir as necessidades que à sua pseudo-realidade não convém.
Clara poderia ter entre seus 28 a 30 anos, morena, olhos cor de amêndoas, uma estatura perfeita: nem alta nem baixa. Trabalha em qualquer uma dessas profissões liberais. Sempre dona de seu nariz, desde cedo se bancou em todos os sentidos. Uma mulher digamos... independente, batalhadora, durona.
Clara já é mãe, mas de outros casamentos. Talvez por essas antigas experiências, tenha se decidido por uma relação um pouco diferente. Talvez. Isso é uma hipótese.
Mantém um relacionamento já alguns anos com seu namorado-marido, isso porque não dividem o mesmo espaço sempre. Uma relação de muita paixão como todas, principalmente no inicio como todas são, claro. Seu namorado-marido também trabalha em mais uma dessas profissões liberais.
Mas agora, após alguns anos de relação, Clara se sente um pouco confusa. Algumas imagens e vontades de um passado perturbam sua mente. Sabe
aqueles momentos onde o inconsciente e o consciente dialogam com bate-papos em uma esquina? Aquelas lembranças antigas não paravam de cutucá-la na calada da madrugada, nos momentos solitários.
Ah! Não posso deixar de dizer que seus pensamentos causavam reações muito presentes em seu corpo, a tal ponto que, às vezes, era necessário um banho para ver se elas acabavam escorrendo pelo ralo. Não porque ela considerasse isso sujo, mas Clara precisava voltar às suas obrigações.
Ela não estava conseguindo seguir os seus dias tranquilamente. Criava esses mundos paralelos e vivia algumas vezes lá e outras aqui. Digo “viver” porque esse passado, como já mencionado, trazia reações tão reais que se transformava em presente.
Mas como ela poderia imaginar que um simples jantar se transformaria nessa armadilha em sua mente?
Afinal, naquela noite de julho tudo começou timidamente, com alguns olhares perdidos entre a cozinha e a copa.
Pequenos toques que eram provocados com certo medo. Tudo aquilo era muito estranho para ela.
O jantar seguiu numa atmosfera envolvente. Muita conversa. Palavras jogadas eram intercaladas com pequenos silêncios perturbadores.
Talvez o vinho já tivesse dado aquele ar de liberdade, pois agora, Clara não mais fugia dos olhares e sim os provocava. Muito mais direta e cheia de intenções. Novamente o tal silêncio. Só que este era longo, muito longo.
Pequenos movimentos de aproximação, pequenos toques suaves e deslizantes começaram a ser manifestados.
Um calor tomava conta desses dois corpos, a mistura de medo, ansiedade e vontades. Uma pequena tontura, talvez pelo vinho. Um beijo. Dois lábios se tocando com uma ardente entrega. Agora não poderiam mais parar. Eram tomados só de desejo, talvez o puro instinto que os comandava.
Do beijo para dois corpos nus, jogados, enlaçados ao chão de uma sala.
Suas bocas já não se procuravam mais, porque agora toda pele era alimento. Formas geométricas, outras desconexas, uma dança selvagem: esta era a cena.
Tudo envolvido pelo perigo de seu marido, ou melhor, seu namorado-marido chegar, afinal era um daqueles dias em que às vezes ele aparecia por lá.
Mas a loucura daquele instante era pura comunhão em um êxtase divino. Seus corpos já eram banhados com a mais pura satisfação. Os dois agora, estáticos, deitados. Seus sexos e seus olhos apontados para o teto. No pensamento, nada. No corpo, o cheiro - resultado de seus desejos.
Aquela noite de julho terminou com um banho e muito silêncio.
E agora todas essas sensações começavam a voltar repentinamente em sua memória.
Até esse momento Clara não entendia o porquê dessas lembranças. Mas, ao abrir sua caixa de e-mail nesta manhã entendeu tudo.

Bela Clara,
Paris é linda. Adorei toda minha experiência por aqui, mas a saudade é grande.
Não vejo a hora de encontrá-la novamente.
Volto ao Brasil nesta semana.

De alguém que nunca te esqueceu,
Paula.

P.S.: Trago na mala um delicioso vinho francês.

Fim.

foto:http://br.olhares.com/vinho_a_luz_de_velas_foto993508.html

9 comentários:

Jairo Pereira disse...

É disso que eu tô falando!

Adorei!


Demorou mas saiu bonito...
Lindo conto.


Nada como um bom vinho francês...rs

Janaina Yuki disse...

Liiindoooo!!!!! Tou aplaudindo de pé!!!

Parabéns, Querido! Beijão

Mudita disse...

muito bom! dá pra sentir a nudez se esboçando nas palavras ... e no final, só verdade nua e crua! Amor verdadeiro. bjos. Valeria Mudita

Anônimo disse...

Oi, André:



Entrei no seu blog e amei. Quanta sensibilidade e arte, quanto amor expresso sob a forma de palavras e imagens. E quanta sabedoria ligada à espiritualidade. Li somente algumas partes, mas vou continuar lendo, inclusive outros blogs de não brasileiros. Fico muito grato à Vida, à Deus, por estarmos tão próximos neste instante.



Um grande abraço,

Anand

Anônimo disse...

Ótimo!!!

Quem é vc?

Lunna disse...

Sempre me pergunto como fica a pele nessas horas? Por que a mente com toda certeza deve impor a razão que a pele (literalmente) ignora...
Sua escrita nos conduz por universos inesperados. Eu gosto disso...

flordelotus disse...

Adorei!!!
Sensual, leve e curioso!
Parabéns, André
Sonia

Gisele disse...

Muito bommmm Andre!!!!
Parabens por todo esse talento!!!

bjs
gi

Francy´s Oliva disse...

Humm, adorei moço... Sem comentários.