terça-feira, 9 de outubro de 2007

“Há os que se levantam e fazem,
e há os que sentam e choram.”
( Mestre DeRose).


Gasto um espaço do meu tempo a observar as pessoas ou ocasiões, que me mostrem esse exemplo, onde a superação se faz presente.
Casos onde quase todos se dariam o direito de sentir pena de si mesmos e deixar o fantasma do vitimismo assombrar, a autopiedade vestida de linda moça, convençendo-o sensualmente.
A mais bonita e frágil carência infantil, vir à tona e fazer do seu eu-adulto: Um carrinho de rolemã.
Tudo isso, assistido por uma platéia ferveroza de tourada espanhola lhe dizendo em coro grego:
“Coitado, que pena que dá. Oh! Que dó”.
Mas não! Certos seres humanos me mostram, sem mesmo me cobrarem, a grandeza das grandezas. Onde me pergunto como pode algo frágil ser forte? Um antagonismo que martela e quebra minha mente em cacos; pela não capacidade de compreensão. Pois compreender algo tão simples está além.
Mesmo montado no rabo de um cometa não alcançaria.
Mas ao fechar os olhos: Lá está, perto da alma e longe do tato.
Vejo esses homens e mulheres que teriam todo apoio da pláteia fervoroza, para sentarem e chorarem. Mas sua alma escolhe levantar e suas mãos, fazer.
Lembro-me e fortaleço-me nesses exemplos.
Para quando o meu vitimismo e seus derivados unirem-se com as minhas pláteias espanholas, que eu consiga manter a escolha de sempre levantar e fazer.
E quando sentar, que seja para tomar folêgo; quando chorar, que minhas lágrimas sejam a representação física de um estado de contentamento.
Esse não é um depoimento de acertos e pontos, ma sim de erros. Vários erros que me conduzirão ao acerto e traços como passos que dou em uma linha contínua que nunca sei ao certo qual será o seu fim.


Só sei, que vou seguir.


03/05/2006. Noite.

3 comentários:

Simonia disse...

Crise é!!!
ahhahahahah
bjs

Rosany Andrade disse...

Quanta inspiração meu amigo!!!

Não sei te explicar ao certo, mas sinto em todos seus poemas muita emoção. Este em particular, me fez refletir sobre o quanto pouco observamos as coisas ao nosso lado, fazemos de tudo do mundo uma paisagem já mal observada.
Obrigada e beijos...
Nany...

The Blower´s Daughter..... disse...

Você é um brilhate nomeio desse monte de carvão chamado sociedade....Juanita